A carregar...

Resenha de “Vida à Venda”, de Yukio Mishima (MATEUS ASSUMÇão)

Yukio Mishima foi um polêmico autor japonês, dono de um talento literário muito precoce e senso estético diversificado. Um notório monarquista, ele mesmo era descendente da alta sociedade japonesa, tendo sido iniciado muito cedo no teatro aristocrata por meio da avó, que lhe introduzira às manifestações tradicionais de Kabuki e Noh. Fascinado pela história dos […]

Ler mais

Resenha de “Paisagens noturnas”, de Vera carvalho assumpção (Pedro Sasse)

Evocando já no título o motif que unirá a investigação do misterioso assassinato de uma professora bem quista pela comunidade a uma série de pinturas sombrias e a estranha coincidência de seus donos, Paisagens noturnas, da finalista do I Prêmio da Associação Brasileira de Romance Policial, Suspense e Terror, Vera Carvalho Assunção, pinta, à sua […]

Ler mais

Resenha de Partir, de Paula Parisot (Dejair Martins)

Partir (Tordesilhas, 2013) é a terceira obra da escritora e artista Paula Parisot, tendo publicado anteriormente A dama da solidão (Companhia das Letras, 2007) e Gonzos e parafusos (Leya, 2010). Partir marca a aproximação definitiva da autora com o escritor de quem foi discípula, amiga e leitora assídua, Rubem Fonseca. Narrada em primeira pessoa por […]

Ler mais

3º escritos suspeitos – Programação e caderno de resumos

Para acessar o caderno de resumos, clique aqui

Ler mais

Resenha de Nada vai acontecer com você, de Simone Campos (Pedro Sasse)

Podemos dizer (ainda que haja nuances) que a ficção detetivesca passou por algumas fases bem delineadas ao longo de sua trajetória. Primeiro, a clássica fase dos detetives amadores que consagrou Conan Doyle e Christie. Depois, a fase noir dos detetives durões de Chandler e Hammett, seguida do sucesso dos police procedural que se disseminaram por […]

Ler mais

3º Escritos suspeitos – INSCRIÇÃO DE TRABALHOS

Na década de 60, Dick Higgins, pioneiro na reflexão sobre a intermidialidade, utilizou o conceito de intermídia para designar um fenômeno que observava tomar forma a partir da década de 50 através de obras artísticas que não se conformavam nos limites de uma arte específica, tais como a pintura, a escultura, o teatro ou a […]

Ler mais

Murder at Full Moon , de Peter Pym (também conhecido como John Steinbeck…), e a perene agonia da literatura popular em sua busca por legitimação (Leonardo Nahoum)

Acidentei-me pesquisador por conta e obra de um mestrado que me proporcionou revelar um riquíssimo caso de autocensura editorial no Brasil, na década de 1970, envolvendo a linha de montagem de uma casa publicadora carioca – a Ediouro – especializada em “ficção ligeira” (como a chamava Hallewell), incluída aí a Mister Olho, vasta coleção de […]

Ler mais

Resenha de O jardim de bronze, de Gustavo Malajovich (Vanessa Cianconi)

O tempo está se esgotando… Quem levou Moira? E por quê? As perguntas que ficam sem respostas são o que faz o leitor a querer continuar a caminhar, com Fábian Danubio, pelas ruas de Buenos Aires. O aspecto arquitetônico da narrativa faz Fábian e o leitor a vagarem “pela cidade, atravessando-a várias vezes, com a […]

Ler mais

Resenha de Transition to murder, de Renee James (Diana Rodrigues)

Publicada inicialmente com o título Coming out Can be Murder, no ano de 2012, a obra a aqui ser resenhada ganha uma republicação no ano de 2014 com um novo título: Transition to Murder. A narrativa escrita por Renee James acompanha a vida de Bobbi Logan, uma cabeleireira Trans, participante de um Conselho LGBT, que […]

Ler mais

Resenha sobre Júlia: nos campos conflagrados do Senhor, de B. Kucinski (Thaís Sant’Anna Marcondes)

A ditadura militar é tema caríssimo a Bernardo Kucinski. Dos sete livros de ficção publicados pelo autor, quatro apresentam como tema central os crimes cometidos durante os anos de chumbo. O período, para o autor, representa nosso mal de Alzheimer nacional. Por isso, Kucinski trava uma batalha contra a disseminação de uma memória difusa e […]

Ler mais