Resenha sobre A Esposa Perfeita (2016), de Karin Slaughter (Isabela Duarte Britto Lopes)

O que você faria se sua ex-esposa fosse suspeita de um crime e ainda estivesse desaparecida, podendo até mesmo estar morta? É assim que se inicia o oitavo livro da saga Will Trent, A Esposa Perfeita (2016),  escrito por Karin Slaughter. Apesar de ser uma continuação, o livro pode ser lido individualmente sem maiores lacunas de informações, já que a obra retoma episódios da vida de Will durante toda a investigação. 

Ao se deparar com o assassinato de um policial em um depósito abandonado, cujo dono é um jogador de basquete famoso acusado de assédio, Will Trent é chamado para investigar o caso e, chegando lá, descobre que sua ex-esposa é uma das principais suspeitas e, devido às circunstâncias presentes na cena do crime, poderia até estar morta.

Ao contrário da grande maioria das narrativas de crime, Will se vê em uma posição vulnerável em que ele deve aprender a lidar com o choque da situação e ao mesmo tempo investigar todas as informações possíveis para tentar ajudar sua ex-esposa, se é que isso ainda seria possível. Dessa maneira, o protagonista do romance é motivado a solucionar os crimes por motivos pessoais e profissionais, apesar de todo desnorteamento causado pela sua proximidade com o caso. Ainda que seus superiores tentem afastá-lo do caso, Will vai contra estas ordens, continua a sua busca por informações e acaba percebendo que há muito mais a ser revelado do que apenas um assassinato.

Ainda que o foco seja no policial que dá nome à saga, o livro abre espaço para outros personagens e suas perspectivas através da mudança de foco narrativo o que, por sua vez, causa uma quebra de expectativas e sentimentos em relação a outros personagens. Tal estratégia possibilita a contemplação dos fatos por um outro lado, o que faz com que os eventos sejam progressivamente explicados e analisados para o leitor de diferentes maneiras. 

O enredo complexo e bem desenvolvido da obra permite que os eventos se conectem de maneira coerente e intrigante no decorrer da narrativa, o que faz com que a leitura seja divertida e ao mesmo tempo angustiante para aqueles que sentem empatia por Will. Assim como o protagonista, o leitor se depara com reviravoltas e situações que muitas vezes parecem definir a investigação, mas são pistas que levam a algo muito maior do que se pode imaginar.

Sendo assim, por ser uma obra que trate o investigador não só como um detetive, mas como uma peça chave para a investigação, o livro de Slaughter apresenta uma narrativa envolvente e que vai além da investigação pela investigação, envolvendo toda a rede de personagens presentes na história que devem lidar com a proximidade da situação. 

Vale ressaltar que é uma narrativa que traz personagens fortes e bem desenvolvidos, não só o personagem principal, e também traz questões sociais importantes a serem discutidas como assédio, corrupção, prostituição e dependência química. Ainda que possua algumas cenas um pouco mais gráficas e violentas, o livro apresenta um equilíbrio nas descrições e nas ações, fazendo com que a obra seja uma mistura de ação e investigação na medida certa.

Etiquetas ,

2 comentários sobre “Resenha sobre A Esposa Perfeita (2016), de Karin Slaughter (Isabela Duarte Britto Lopes)

  1. Parabéns Isabela. Adorei a resenha. Já coloquei o livro na minha lista de desejos. abraço.

  2. Thank you!!1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *